Home / Aprenda / Como transformar dor em amor

Como transformar dor em amor

Muitas pessoas vivem atrás de explicações para as dores e doenças que sentem, diagnósticos que as façam entender a causa para tanto sofrimento.

O que muitas ainda esquecem é de olhar para si e tentar entender o próprio corpo, que emite sinais claros do que pode estar acontecendo.

Outras desacreditam totalmente na conexão mente e corpo e imaginam que suas dores em nada têm a ver com emoções, são apenas disfunções fisiológicas e que podem ser sanadas através de remédios convencionais.

Contudo, na maioria das vezes, o tempo vai passando e as dores e doenças se instalam e se tornam crônicas e mais uma vez as pessoas se tornam incrédulas e até mesmo vítimas, questionando o porquê de isso acontecer com elas, remoendo assim, os sintomas doloridos.

Veja, isso não é proposital, a falta de conhecimento, as crenças limitantes, o sistema de saúde nacional, a falha de informação sobre as descobertas neurocientíficas, tudo isso, é o que aprisiona e faz você viver sem entender que a dor pode ser transformada em amor e saúde.

E para mudar isso de uma vez por todas, acompanhe o texto e receba um pouco mais de conhecimento, já que aprender também é uma forma de amar!

Conhecimento liberta!

Dores e doenças crônicas, diagnósticos fragmentados, tratamento que não funcionam, herança genética, não! Você não precisa se conformar e aprender a lidar com nada disso. Conhecimento é uma forma de libertar-se de todos os mitos e crenças impostas durante toda a sua vida.

Em primeiro lugar, é importante dizer o que a mídia e o sistema nacional de saúde não querem que ninguém saiba: é possível mudar o mapa cerebral e sanar dores e doenças, e os cientistas já comprovam esse tesouro.

Neuroplasticidade, é a capacidade do sistema nervoso se transformar, de adaptar suas estruturas e funções ao longo de toda sua vida, possibilitando assim ajustar-se a novas realidades.

A forma mais linda e amorosa que seu organismo como um todo tem de dizer: cuide de mim que eu cuido de você!

E onde o amor entra nesse maravilhoso mundo científico?

Simples, para que seu cérebro ative toda essa capacidade de mudança ele precisa de estímulos positivos e para que isso aconteça você precisa exercitar a amorosidade.

O amor cura!

Bem, agora você já recebeu um pouquinho de conhecimento sobre como encontrar a cura e para continuar essa corrente de amor, veja o que ele pode fazer pela sua saúde.

O seu cérebro e o seu corpo respondem a estímulos externos o tempo todo, e sabe quem é o grande responsável por fazê-lo mudar? Você!!!!!

Para aliviar dores e curar doenças é necessário amorosidade, cuidado, positividade de você para você!

Um imenso ato de amor e cumplicidade para mostrar ao seu organismo que você não o ignora, que você sabe da sua importância, da sua capacidade, e isso envolve depositar em si próprio (a) a confiança de encontrar o equilíbrio e transformar a dor em amor.

Entenda, você é o grande e único(a) responsável pela sua vida e pela sua saúde, e é importante que você não enxergue isso com aquela fala: “nossa, eu provoquei tudo isso?”, mas sim com a mentalidade de: “Maravilhoso, isso significa que posso me transformar, curar a dor”!

Atos de amor!

E na prática, como começar a transformação da dor em amor?

Pequenos atos de autoamor podem ter grande impacto na sua saúde e na sua qualidade de vida, mas lembre-se, não existe mágica, é preciso persistência, paciência e muito exercício mental para que as mudanças comecem a ser realmente consolidadas, e não é difícil, é libertador e recompensador, por isso pratique:

  • Trabalhe seu cérebro: Desafie-se, saia da zona de conforto, aprenda cada vez mais e mais.
  • Mantenha hábitos saudáveis: Ame na sua mais pura essência, cuide com carinho e zelo do seu corpo e da sua mente.
  • Desligue o piloto automático: Perceba suas atividades diárias, faça cada coisa prestando atenção aos detalhes, dedique-se inteiramente ao momento.
  • Ame e deixe-se amar: Cuide das suas relações, pessoas e ambientes negativos em nada ajudam a ativar a neuroplasticidade.
  • Cuide das emoções: Envie ao cérebro novas e positivas experiências para que ele possa criar caminhos de cura e alívio.

Por fim, pratique toda forma de amor, livre de apegos, de negatividade, de crenças limitantes, faça melhor para ter uma vida mais saudável e um mundo digno de se viver!

O amor é o grande transformador de todas as coisas!

Mais amor por favor!

Sobre Kelly Lemos

Veja também

MAMA3

Eficácia da Termografia na Detecção do Câncer de Mama

Os resultados da termografia diferem de pessoa para pessoa, então, uma vez que uma imagem …

2 comentários

  1. É mesmo isso Kelly!
    Só quando comecei a gostar de mim e a cuidar-me e mimar-me comecei a melhorar! Tenho Fibromialgia mas desde há 2 anos, depois de um curso prolongado de Mindfulness, a minha vida mudou completamente: a doença está comigo mas eu não sou a doença e, como tal, as coisas boas suplantam a dor e o ciclo tornou-se positivo, a dor só serve para me orientar para o bem estar…
    Agora, e tb como tua aluna “Liberte sua coluna”, estou cada vez mais livre ❤️ e feliz, obrigada!
    Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *