Home / Dores / Dor psicossomática!

Dor psicossomática!

A dor é caracterizada por uma lesão, trauma, ou por sinalizar um perigo eminente ao organismo, correto?

E quando há dor e não há lesão?

E quando não é possível identificar nenhum perigo real ao corpo?

E aquelas dores sem causa concreta e outras que ultrapassam o conhecimento médico e insiste em acontecer mesmo depois do diagnóstico e tratamento proposto?

Dor psicossomática?

Você sabe do que se trata?

O que a caracteriza? Quais as formas de tratamento? E principalmente, quais são as causas da dor psicossomática?

Acompanhe o texto e entenda mais sobre essa dor real e paralisante.

O que são dores e doenças psicossomáticas?

As dores psicossomáticas, assim como as doenças, são caracterizadas por não apresentarem causas, ou origens fisiológicas, ou seja, são sintomas projetados pela mente e manifestadas no seu corpo.

A dor então surge, numa maneira do organismo demostrar de maneira física, que algo não está bem com o equilíbrio de sua mente e de suas emoções.

Mas lembre-se: pode não haver causas fisiológicas, contudo, as dores e as doenças externadas no corpo são reais e podem ter igual ou maior intensidade que outras com origem diagnosticadas.

Quais são os principais sintomas das dores e doenças psicossomáticas?

Qualquer dor ou doença pode ser de origem psicossomática, contudo, entres os sintomas mais comuns estão:

  • Taquicardia.
  • Tremores.
  • Respiração curta e rápida.
  • Sudorese.
  • Boca seca.
  • Enjoo.
  • Dores de estômago.
  • Dores no peito.
  • Dores nas costas.
  • Dores na cabeça.
  • Manchas arroxeadas pelo corpo.

E porque os sintomas psicossomáticos acontecem?

Os sintomas aparecem porque o estresse e a ansiedade fazem aumentar consideravelmente a atividade cerebral, elava os níveis de hormônios como adrenalina e cortisol e assim afeta diversas partes do corpo, algumas com mais frequências, como por exemplo:

  • Intestino.
  • Estômago.
  • Pele.
  • Coração.

E olha só que curioso, o não tratamento da dor psicossomática é o que pode causar as doenças e também agravar consideravelmente outras patologias já existentes.

Em alguns casos os sintomas são tão graves que podem causar AVC, convulsões, fibromialgia, psoríase, pressão alta, entre outros.

As dores psicossomáticas e o desequilíbrio emocional

O cérebro humano é dotado de uma capacidade gigante de responder a estímulos emocionais, de maneira química. Por exemplo, em meio a uma cena de perigo, o seu cérebro rapidamente produz e libera adrenalina para todo o seu corpo, para que assim você possa fugir!

Contudo, existe uma sobrecarga em seu organismo, um desequilíbrio de estímulos emocionais que podem fazer com que seu cérebro produza mais hormônios de ação, de urgência e perigo, do que realmente ele precisa e aí que se originam as doenças e as dores psicossomáticas, pelo excesso de emoções sem propósito adequado.

Você deve estar pensando, “Mas eu não tenho esse desequilíbrio emocional!”

Será mesmo?

E as urgências do dia a dia?

As ansiedades quanto a problemas domésticos, trabalho, finanças, relacionamentos?

A falta de atividade física e consequentemente a não liberação desses hormônios?

E como vai seu grau de estresse?

Você sente depressão com qual frequência?

Tudo isso ativa o sistema cerebral de urgência e faz com que libere as substâncias que podem gerar dores. Ou seja, seu cérebro recebe estímulos emocionais e ao tentar se proteger, reage quimicamente contra você mesmo!

Qual a melhor forma de tratamento?

Como qualquer outro tipo, a dor psicossomática deve ser tratada diretamente em sua origem, ou seja, se bem geridas as emoções, o cérebro será adequadamente estimulado, fornecendo os hormônios conforme a real necessidade do organismo.

Por isso, o ideal é direcionar os estímulos emocionais para o encontro da cura e do alívio das dores!

Como fazer isso?

Através do autoconhecimento!

Perceber quais são seus desequilíbrios emocionais, aprender a se desligar de tudo aquilo que não faz bem e absorver os sentimentos e emoções positivas, essas são ótimas maneiras de começar a aliviar as dores.

Entender quais são os atos e os pensamentos que trazem agitação, sentimento de urgência, sensação de perigo, quais são as atividades que sobrecarregam e que trazem desprazer é um bom modo de refletir sobre as dores sentidas.

Tudo isso faz com se seu cérebro reaja e em defesa do organismo!

Portanto, busque o equilíbrio através das emoções positivas, do controle do que entra e do que permanece em sua mente, e dessa forma, todo o seu sistema responsável pela cura e pela produção de hormônios trabalhará de maneira adequada, fornecendo tudo que seu organismo precisa!

VEM PARA O MOVIMENTO INTELIGENTE E CURE SEU CORPO, CURE SUA VIDA!

Sobre Kelly Lemos

Veja também

O que a tendinite pode estar querendo dizer sobre sua vida?

O que a tendinite pode estar querendo dizer sobre sua vida? Não importa os remédios …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Aprenda a ALIVIAR 80 a 100% da DOR CRÔNICA na COLUNA e ARTICULAÇÕES em Apenas 8 Semanas.

(Sem Remédios, Sem Cirurgias e Sem Sair de Casa)

envelope